Legado

Há algumas semanas soubemos do legado que a Olimpíada deixou no Maracanã.

Um buraco gigantesco:

6 metros de comprimento
4 de largura
2 de profundidade.

Uma cratera.
Aberta na face do campo que nos acostumamos a amar.

E que agora se apresenta machucado, nú, agredido e abandonado.

Tudo isso para quê? Para Anita subir de repente acenando para a multidão? Para erguer uma surpresa qualquer na festa de abertura paralímpica?

Mais uma agressão ao velho Maracanã.
(Quem lembra lembra, sabe o que fizeram e nunca perdoará).

Trataram como se não fosse nada, da mesma forma que tratam o futebol.

“É um buraco de 30 centímetros”, disseram.
“Vai fechar, é só plantar grama”, disseram
“São homens correndo atrás de uma bola”, bostejaram.

Pois bem.
Para mim não é.

Para mim é o Maracanã.

Para mim nem Deus, no dia do juízo final, tem permissão para agredir o gramado, quando os mortos saírem de suas tumbas.

Imagino que a alma fantasmagórica do maracanazzo talvez esteja enterrada ali.

Vi a queda da marquise monumental, vi colocarem cadeiras, o fim da geral.
Vi ingressos a cento e oitenta, sessenta mil pessoas e nenhuma a mais.

Reduzido, vulgarizado, banalizaram o Maracanã.

O mesmo estádio de quando eu era criança, subindo a rampa, junto com o pai, entrando na arquibancada e olhando, palmo a palmo, o tapete verde que brilhava, uma torcida gritando de cada lado.

Um templo do futebol lotado.

Um tempo do futebol agredido, machucado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s