Ninguém vai parar a resistência

LEIA ANTES AQUI: http://nfde.tk/87b3

Mr. Leifert saiu em defesa das selfies no estádio. Evidente. Usou de analogias sofríveis, digna de alguém que não tem a menor ideia de onde está. Tem coragem de supor que alguém seja burro, com um texto infantil e retórica sofrível. Tem dificuldade para comparar e refletir. É triste. Mas é quem tem voz. Destacamos algumas frases:

1) “Futebol é business.” – Uma mazela do homem de todas as épocas é tomar o que é histórico e artificial como natural e absoluto. Como se essa realidade não tivesse sido criada.

2) “Quem sustenta esse negócio: 100 xiitas ou 40 mil modinhas? Pergunte a qualquer dirigente. Aliás, veja o Barcelona. Cabem 100 mil pessoas no Camp Nou, e só tem turista! É sério! Primeiro ponto: para sobreviver, o futebol precisa, mais do que nunca, do modinha.” E 3) “Arena Corinthians e o Grand Gateau do Paris 6 são concorrentes, estão disputando alguns megabytes daquela conta no Instagram. E se ele torce pouco, ora, que o marketing do time ensine a torcer! Crie músicas interessantes, promoções, vídeos, coreografias, mosaicos!” – Nunca passamos nem na porta do tal Paris 6, lugar que o Thi vai jantar, mas de Paris lembramos da Revolução Francesa onde a noção de conquista não era individual, mas como uma meta a ser alcançada pela coletividade. Talvez isso ajude a entender a cabecinha do “Escritor QG”. De Paris 6 ele sabe até nome de prato, já de coletividade. “Pede pro marketing fazer.” É o hino da geração que nada faz e tudo pede. Como um garçom da vida.

4) “O estádio foi por muito tempo uma latrina. Um lugar fedido, sujo, racista, perigoso. Se o modinha está trocando o shopping pelo estádio, ótimo. Sinal de civilização.” – A gente sabe muito bem a cor e a classe social desse “New Torcedor”. Não precisa citar racismo na frase para fazer mea culpa.

Resumindo, o bom-mocismo padrão Globo pode enganar um, dois, ou milhões. Vocês têm um canal de massa, né? Mas a resistência está aqui.

Deixa o marketing do time ensinar o modinha a torcer. Ele vai falhar. Quando um novo produto chegar, a onda passa. Até lá, sustentamos: não é só um jogo. Não é só um negócio.

Futebol é algo maior, é resistência. Resistência a você e a tudo que você representa também, Tiago Leifert.

#RIPFutebol

Anúncios

4 comentários sobre “Ninguém vai parar a resistência

  1. Esse cara caiu de paraquedas, mesmo tendo começado no estadualzao do Paraná deve saber muito bem do gerenciamento de massa que a globosat faz, palhaço!! Sofrível no mundo do esporte, indigesto no mundo do entretenimento, esse peixada

    Curtir

  2. Sério, não perco meu tempo com ele nem com os merdas da Globo, Band, Sportv… acham que futebol é isso, esses pontos corridos e o famoso bordão “money talks”

    Curtir

  3. RESPOSTA A TIAGO LEIFERT

    Caro Tiago Leifert,

    As palavras que se seguem são uma resposta à coluna de sua autoria recém-publicada no site GQ (11/12/2015). Muito provavelmente você jamais terá conhecimento do que escreverei nas próximas linhas, mas confesso que guardar o que eu pensava a respeito dos seus argumentos estava me trazendo sintomas fisiológicos desagradáveis.

    Tantos foram os vespeiros em que você se meteu para expressar seu medonho argumento de que o futebol é pura e simplesmente negócio – ou business, se você preferir uma linguagem mais pomposa, e tenho certeza que vai – que passar por todos eles com o cuidado necessário exigiria, no mínimo, uma tese de doutorado. Prometo, porém, tentar ser breve sem ser muito superficial.

    O primeiro ponto de fragilidade de seu argumento é baseá-lo na crença de que os torcedores são apenas de dois tipos, que você chamou de “xiita” e “modinha”. Será mesmo que, por exemplo, os não sei quantos milhões de flamenguistas espalhados pelo Brasil são ou “xiitas” ou “modinhas” e só? Cadê o torcedor que odeia os novos telões mas gasta aos montes colecionando camisas oficiais de seu clube? Ou aquele que deixa de ir no aniversário da filha para ir ao estádio mas faz questão de um banheiro limpo? Que solidez pode ter um argumento que se baseia nos extremos e esquece a maioria?

    Depois de ter começado mal, caro Leifert, as coisas se tornam ainda piores com sua afirmação de que quem sustenta o clube é o que você chamou de “modinha”. O que você esquece é que se hoje existem, por exemplo, os tais “modinhas” indo à Arena Corinthians – você prefere falar Arena do que Itaquerão, certo? –, isso se deve aos fiéis corintianos que se multiplicaram nos anos 50, 60 e 70, quando o time não ganhava nada e quem estava “na moda” era o Santos de Pelé. Foram os corintianos que sofreram 23 anos sem comemorar um título que sustentaram simbolicamente a grandeza do clube para que, hoje, os que você chamou de “modinhas” queiram gastar dinheiro para comprar uma camisa onde se lê “Bando de Loucos”. Sem os fiéis não há os “modinhas”.

    Para comprovar seu argumento de que são os “modinhas” que sustentam os clubes, você nos diz que é só olhar o Barcelona para constatar que só há turistas nos Camp Nou. Caro Leifert, não sei se você deveria ter mais vergonha de fazer uma afirmação dessas ou de acreditar, como transparece em sua coluna, que foram os smartphones e seus usuários que levaram a civilização aos estádios. É inegável que desde Ronaldinho Gaúcho e principalmente por causa do Messi o Barcelona tornou-se um clube admirado em todos os continentes. No entanto, não precisa ser um cientista social para compreender o quanto o ato de torcer para o Barcelona significa na construção da identidade catalã. Você diz que o Camp Nou está sempre lotado com 100 mil turistas e eu te pergunto: será que são mesmo turistas os que sempre gritam pela independência da Catalunha aos 17min14s de cada jogo, em referência ao ano de 1714, um marco na história do movimento separatista? Não faz muito tempo o Barcelona foi multado por seus torcedores terem vaiado o hino espanhol no Camp Nou. Seriam esses turistas?

    Por fim, até porque já me alonguei bastante, gostaria de lhe dizer que, diferente do que você pensa, ninguém precisa ser ensinado a torcer pelo marketing do clube. Não existe modo certo ou errado de torcer, e a graça, caro Leifert, é justamente essa. Aprendemos a torcer vivendo, e não lendo um manual, muito menos um manual escrito por um profissional de marketing com os mesmos argumentos que os que você possui.

    Nos mesmos minutos em que meu time jogava a final de um campeonato, eu fazia prova de vestibular para cursar Jornalismo e realizar meu sonho de trabalhar com esportes. Poucos sabem o que é tentar fazer uma prova com a cabeça no Maracanã. Os fogos pipocavam fora da sala. Seriam os torcedores do meu time comemorando ou os rivais debochando? E não é que um espírito de porco apareceu na porta da sala para avisar que os adversários tinham aberto o placar? O mais cruel de tudo foi que enquanto todo mundo bradava ser impossível conseguir comprar um ingresso para o Maracanã, um amigo meu havia sido sorteado com três e me oferecera um de graça. A prova não me deixou ir.

    Faltavam dez questões de umas 90 quando eu resolvi “chutar o balde”, “chutar as questões” e correr para o bar mais próximo. Cheguei à frente da televisão ainda meio sem norte e perguntando como estava o panorama. O resultado parcial de empate não era favorável, mas o gol, que acabaria por ser o do título, não tardou a sair. Quando vi a bola tocando na rede saí pulando e movendo partes do corpo que eu nem sabia que se moviam. Acho que eu gritava também, não lembro. Também não lembro se distribuí alguns abraços. Mas lembro que depois de muito saltar, sentei no meio-fio e chorei pela primeira vez com o meu clube. Aqueles segundos de pulos, gritos (?), abraços (?) e choro, caro Leifert, não se ensinam. Eles não são “business”…

    http://www.futebolarj.blogspot.com

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s