Ninguém do Brasil (ou nunca procure Daniel Alves no google imagens)

Mais triste do que ver o jogo da seleção contra a Colômbia ontem foi ver a entrevista do Daniel Alves ainda no campo. Balbuciando sem fazer sentido, procurava as palavras em português, como um Brasil estrangeiro procurando seu futebol.

A situação é delicada – porque o campeonato Brasileiro também vai mal, muito mal das pernas – e pedir a escalação dos caras que jogam aqui acaba no depósito de esperanças desmedidas na escalação do menino Bernard.

Ainda assim, é trise ver entrar em campo pra defender uma camisa que habita um imaginário sustentado pela mais pura genialidade, jogadores burocráticos, limitados mesmo.

Que não apresentam nem lampejo de atrevimento e arte. Será que não dava pra cruzar os mares, mas preservar um pouquinho de Brasil no futebol?

A maioria vira peça funcional… um parafuso sem brilho nenhum. Mesmo assim, chancelados por suas meras presenças nas ligas e campeonatos europeus já chegam com banca de craques mundiais de futebol vistoso.

Sinceramente.

Tirando o marketing, falta muito pra confiar num Oscar, num William, num Phillipe Coutinho.

Num Fernandinho com seus passes límpidos pro lado, craque do Manchester City.

Num Felipe Luís com sua obstinada obediência tática, titular absoluto do Chelsea.

Douglas Costa, nem sei… mas joga no Shakhtar, da Ucrânia, isso deve bastar.

A gente já nem repara mais que entra de titular na Copa América um cara que passou pelo Figueira e pelo Hoffenheim e nunca levantou nenhum trófeu. Aí ele tem uma atuação bisonha e perde um gol ridículo, parece que a máscara caiu.

Não. Não é um dos melhores centroavantes do mundo, craque da bundesliga.

É um jogador limitado colocando banca.

Pra levar esses caras eu ainda prefiro arriscar alguém daqui.

Daniel-Alves-JSC-G1

Leva o Malcolm, leva o Mamute, leva o Valdivia, o Sobis, o Yago Piakacú, o Renato Cajá,  sei lá, leva qualquer coisa.

Pelo menos atrai a atenção de alguma torcida nacional.

Eu quase acho – com um pouco de encorajamento eu poderia inclusive afirmar categoricamente – que eu preferia ver o Romário de terno em campo ontem do que ver o Firmino.

Na pior das hipóteses, ficaríamos na homenagem.

Melhor que parar pra ver esses caras…

Será que o Marin viu o jogo da seleção ontem? O Del Nero?

Será que eles aguentam?

por Henrique Lederman

Anúncios

5 comentários sobre “Ninguém do Brasil (ou nunca procure Daniel Alves no google imagens)

  1. PORRA IRMÃO ASSINO EM BAIXO!!!! ESSES MERDAS TOMARAM DE 7 DA ALEMANHA, MAS NÃO TOMARAM VERGONHA NA CARA!!!! RIDÍCULO!!!! LAMENTÁVEL !!! QUEM VIU UM LEANDRO JOGAR NA LATERAL DA SELEÇÃO, QUEM VIU SÓCRATES, ZICO, FALCÃO, BATISTA, ATÉ MAIS RECENTE, O RAÍ (IRMÃO DE SÓCRATES), VER ESSES MERDAS, DÁ VONTADE DE GORFAR.

    Curtir

  2. Essa seleção está toda torta.
    A ordem natural com a saída do Danilo seria a entrada do Fabinho no lugar dele. Mas então o Danilo se lesiona e O Dani Alves entra no lugar. Por que não chamaram o Dani antes ? O que faz o Fabinho na seleção ?
    Será que mesmo após todos os escândalos que sugiram recentemente, da FIFA e da compra de convocações na seleção brasielira ainda têm coragem de fazer falcatrua, ou é falta de bom senso mesmo?
    Só sei que tenho saudades de 2002 e 2006.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Mas o pior de tudo, o pior mesmo, é olhar ao redor e se dar conta de que não existe ninguém muito melhor que esses Firminos e Fernandinhos… é isso aí…
    Sem contar o Dunga, que estreou na carreira de técnico na seleção, ficou 500 anos desempregado e depois volta pra seleção… tudo normal, tudo beleza…
    Tudo isso com a belíssima cobertura da Rede Globo, na cativante narração do Galvão Bueno e com o Ronaldo se autodestruindo a cada comentário.

    Curtir

  4. Se existe algum jogador alemão que foi bem na Copa de 2014, pode ter certeza que em 2014 na própria Bundesliga, Firmino foi melhor. Além de revelação da temporada, perdeu o título de melhor jogador da liga para o Marco Reus, que não foi para a Copa – consequentemente ficando com a vaga de melhor estrangeiro. Sem contar que faz dupla com Volland, jogador de base adorado pelos alemães.

    A seleção precisa de liberdade, que o Dunga não dá. Seus esquemas táticos, maneiras de gerir, são as piores. Como é possível Micale em 3 meses mudar a maneira de um time que ele não convocou e melhorar o desempenho do Sub-20 e o Dunga nos apresentar uma seleção diferente e ao mesmo idêntica a do 7-1? Ele quer um time semelhante igual ao plantel alemão, mas não sabe fazer.

    Philippe Coutinho, Neymar, Firmino e Robinho são os únicos que eu espero alguma coisa nessa Seleção.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s