Um poema para a Arrogância

A arrogância faz o homem se sentir maior do que ele é.
Melhor.
Mais poderoso.
O Ganso se acha um Deus entre os homens.
Entre jogadores que não entendem do jogo,
Ignorantes.
Gente que conduz a bola deselegante, olhando pra baixo…
E com a camisa suja de grama.

O Ganso pensa o jogo como se o jogo fosse do Ganso.
Como se a partida fosse a orquestra que só existe na sua cabeça.
Só que não é.
Não é o jogo de um maestro parado,
que na elegância, parece mimado
com cara de choro
contrariado
em meio a luta pela bola.

Quem é esse oponente que desafia o coro dos contentes?
Que corre, que marca, que rouba as bolas, corta os passes.
Come a grama.
Carrega a bola feio, até o fundo do gol.
Bonito é comemorar, depois do esforço
junto da torcida,
o gol.
Enquanto os oponentes buscam a bola na rede

Mas,
infelizmente,
Não será o Ganso
que vai sujar as mãos.

Anúncios

Um comentário sobre “Um poema para a Arrogância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s